terça-feira, junho 26, 2007

#


Num piano, difusas semibreves, as notas desciam correndo as escadas. Um plano: desculpas discretas e enrugadas projetadas onde os olhos quisessem olhar. No olhar o que se via era um vazio sem fim. Buracos negros, infinitos, e castanhos por fora. Bruxas, nem milagres, nem peões de xadrez faziam mais sentido. Enquanto a melodia acelerava-se de outro andar, lenta, o corpo enrijecia-se o mais que podia. Cegava-se, a língua, na textura soturna dos ares sem música. As paredes pulsavam cor, ação tão normal de fiéis confidentes tão ingênuas. Os comprimidos faziam efeito.

foi num simples bocejar da vida
que tomou-se de quantas substâncias
os pensamentos desta criatura

matéria, nem bebidas ou fumaças
freguesia de bom crédito
faziam diferenças também

As palavras, num incompreensivo, morriam da garganta ao céu da boca. Talvez fossem alegrias, desculpas ou arrependimentos. Na verdade, esforço vão. Ingênuas e tão inúteis confidentes, as paredes que pulsavam cor não poderiam escutar.

foi num simples piscar de olhos
a vida
que tomou-se de quantas substâncias
os pensamentos
desta criatura

Os comprimidos faziam efeito. Os segredos imortalizavam-se, esculpidos no ar. As palavras, não se sabe se de alegrias ou arrependimentos, fugiam escala abaixo, entupindo a garganta.

O caminho estava certo, os comprimidos descansaram. O corpo finalmente tocou o chão. Um baque seco escapa um grito engasgado e solitário. Os pensamentos molham o chão. O teto manchado canta tenor um boa noite, no momento exato em que morre aquela curiosidade do último suspiro. As notas musicais tocam, enfim, os ouvidos inertes, sorridentes e indiferentes.

3 Comments:

Blogger SACANITAS said...

nossa, fiquei com um no na garganta...


profundo demais.

;)

beijo rafa
.
.
.

quarta-feira, junho 27, 2007 1:37:00 AM  
Anonymous Ale said...

fuga?
busca?
curiosidade?
descanço?

bafo quente com gosto de morte?

quarta-feira, junho 27, 2007 6:00:00 PM  
Anonymous Ale said...

fuga?
busca?
curiosidade?
descanço?

bafo quente com gosto de morte?

quarta-feira, junho 27, 2007 6:00:00 PM  

Postar um comentário

<< Home